sexta-feira, 26 de junho de 2009

O rei das paradas de sucesso se foi

Michael Jackson já entrará para a galeria dos mitos antes mesmo da sua inesperada morte, ocorrida no dia de ontem. A sua bela e conturbada carreira agora será explorada pela internet e baterá recordes de acessos, com nunca antes visto; os programas televisivos exibirão seus shows e sua decadência como pessoa; os jornais montarão cadernos especiais e as emissoras programas com os grandes sucessos, ele merece. Será mais uma prova da sua magnitude.

Mas quero analizar a importância do rádio na criação do mito. Quando Michael atingiu o auge, na década de 80 meu trabalho era de contato com as gravadoras. Me lembro que no lançamento de Triller, a porta da CBS tinha fila a espera do suplemento (LP), quando a porta da sala de espera da gravadora abria, com o divulgador vindo com os suplementos, era uma como se nós recebessemos algo que nos garantiria a audiência por muito tempo.

Em Triller, todas as faixas foram sucesso, assim como em como havia já ocorrido no disco anterior. Foram as rádios mundo afora que reforçaram a imagem do ídolo pop que viria a ser o campeão de vendagens (750 milhões de discos) de todos os tempos.

As programações eram formatadas para que coubessem os hit's daquele menino ainda negro. Hoje temos que reverenciar o cara que superou os Beatles e que ainda não encontrou substitutos, apenas súditos. Um ídolo do Rádio e da TV. O homem que inventou o vídeo clip e influenciou na criação da MTV. Vá com Deus, Michael Jackson. Abaixo a discografia completa do astro:

1972 - "Got to be there", Motown
- 1972 - "Ben", Motown
- 1973 - "Music & Me", Motown
- 1975 - "Forever, Michael", Motown
- 1979 - "Off the wall", Epic
- 1982 - "Thriller", Epic
- 1987 - "Bad", Epic
- 1991 - "Dangerous", Epic
- 1995 - "HIStory, past, present, future", Epic
- 2001 - "Invincible", Epic.

Nenhum comentário:

Postar um comentário