quarta-feira, 7 de abril de 2010

Como se chega ao primeiro lugar

Montar um projeto de programação numa rádio não é fácil. As vezes só temos a nossa experiência e boa intenção e isso é pouco. Um projeto tem que levar em consideração diversos fatores externos que devem sobrepor qualquer "achismo" tão presente quando não se tem uma base científica ancorada em pesquisas qualitativas e quantitativas.

Infelizmente as boas pesquisas custam caro para a maioria dos radiodifusores, mas assusta quando emissoras de porte parecem esquecer este receituário básico e preparam suas mudanças muito mais em cima de nomes do que nas informações relevantes. Aí, quando isso ocorre, estas emissoras se sujeitam a fazer altos investimentos em profissionais que estão muito mais interessados em auto promoção do que num trabalho de conquista sólida de ouvintes.

O pior é que executivos caem nessa armadilha pois esperam resultados imediatos para mostrarem na reunião dos acionistas no final do ano. Gastam muito dinheiro e não vêem a audiência subir. O motivo do fracasso é que o ouvinte não é bobo. Ele sabe quando o veiculo respeita suas preferências e tenta conquistá-lo com iniciativas criativas, carinhosas e elaboradas em cima dos estudos preliminares baseados em pesquisas e depois na experiência profissional.

Quanto tempo se leva para se chegar ao primeiro lugar? O tempo necessário para que o ouvinte perceba que ele é único para aquela rádio e não apenas um percentual de audiência. Se olharmos os dados da pesquisa de audiência no Grande Rio veremos que as rádios que lideram as pesquisas estão ali há um bom tempo. Pra mudar este dado, tem que se considerar o tempo de namoro pra haver o casamento.

Conhecer o parceiro é primordial para o sucesso da relação. É difícil se chegar a liderança, mas é mais difícil mantê-la. Quem consegue será copiado. Isso é uma forma de reconhecimento do trabalho do lider.

Nenhum comentário:

Postar um comentário