quarta-feira, 3 de março de 2010

Pesquisa de audiência


As emissoras do interior precisam entender de uma vez por todas que pesquisas de audiência são fundamentais para que seus preços sejam respeitados. A pesquisa não é só para dizer quem está em primeiro lugar, elas existem para que o mercado saiba qual o veículo é mais adquado para exibição de sua mídia, estruturando melhor as campanhas de acordo com o público alvo, dele cliente, e do veículo, bem como a participação do veículo no segmento a que acredita atingir.
Do jeito que está, as emissoras de rádio, vivem um salve quem puder. Todos arvoram em dizer que são primeiros em audiência, mostrando para o mercado um amadorismo inconcebível nos tempos atuais. Claro que pesquisa só tem validade se o instituto tiver credibilidade e isso custa muito caro. A solução então é fazê-la rateada por todos da praça onde se quer obter uma informação mais precisa dos dados de audiência.
A Aerj (Associação das emissoras de rádio e tv do Est. do Rio de Janeiro) pode intermediar essa aproximação entre os radiodifusores. Pra se ter uma idéia uma pesquisa no mercado de Campos, com cerca de 1000 entrevitados, (RJ) fica em torno de 32 mil reais.
Não tem como uma única emissora da cidade assumir estes custos, mas se todos toparem fazer é viável. Campos é a segunda praça em números de emissoras do Estado do Rio, por isso precisa desta informação de forma profissional. É bom que se diga que a segmentação tirou das emissoras a abrigação de serem líderes de audiência entre todas as demais concorrentes. Hoje, o homem de mídia, enxerga mais outros fatores. A compra é técnica. Ser primeiro lugar é bom, mas vender dentro da tabela e com argumentos confiáveis é o ideal.

2 comentários:

  1. Alfredo, você conseguiu, em poucas linhas, traçar um perfil real do que acontece em Campos. A solução não é tão complicada, como você citou. O problema é o referido amadorismo, cada vez mais latente. Um abraço pra ti.

    ResponderExcluir
  2. Somos concorrentes e não inimigos. Temos que saber separar bem as coisas, pois senão o setor vai se inviabilizar financeiramente.

    ResponderExcluir